Fala sério! Mesmo quem não gosta de carros se impressiona com um possante como este. Pode ser até que não curta o assunto, mas torce a vista, dá uma olhada de ladinho e segue viagem. Quando era moleque, a briga em casa era pelos carrinhos matchbox. Aquelas miniaturas de metal que meu pai comprava faziam o maior sucesso. Eu e meu irmão Pedro passávamos horas em engarrafamentos quilométricos pelas paredes dos cômodos do nosso apê em Petrópolis. Ganhava mais ponto quem enfileirava mais miniaturas. Valia de tudo: caminhão, bombeiro, reboque, fusca, baratinha, tanque, trator… e por aí vai, ou melhor, não vai, uma vez que o legal era ficar parado no trânsito confuso do imaginário de dois meninos. Muitos daqueles carrinhos lembram este Skylark, todo trabalhado no vermelho. Estacionado ali, na minha frente, ele me fez voltar no tempo em que a moda lá em casa era uma tal de “bibi-portinha”, apelido criado em família para dar sentido aos modelos mais antigos de carrinhos.