Orla de São Conrado, dia de feira. Mar tranquilo, trânsito pesado e muito tempo pra contemplar a paisagem. Calmaria surpreendente para um frenesi que se aproximava poucos metros adiante. Colisão entre van e moto. Discussão no acostamento, curiosos de plantão e eu ali, inerte na janela do ônibus comuntário como um observador na platéia do teatro. Como por acaso, ao meu lado direito a imensidão azul. Tranquilidade total à beira mar. Respiro fundo e volto a dormir.  Menos de 48h depois e a mesma cena passa pela minha rotina. Final de semana, trânsito inacreditavelmente lento para o horário e, adivinhem: ressaca na costão da Niemeyer. Dois momentos, dois cliques pelo celular e vida que segue.