Manhã de terça-feira, meados de abril de 2010. O Rio de Janeiro estava, novamente, sob forte chuva. O prefeito foi à televisão pedir aos moradores não saírem de casa. Ruas alagadas, árvores caídas, o povo sem condições de transporte para seguir ao trabalho e muita apreensão no ar.

O meu telefone toca. Do outro lado da linha o chefe.

– Zé Brito. Tudo bem?

– Tudo.

Tá em casa.

– Tô.

– Vai sair…

– Não pretendo.

– Vai sim.

– Ok, foi o que eu disse. Pretendo sair.

(risos)

– (risos)

 

Dadas as cirunstâncias, a tarefa era simples e oportuna. Seria necessária uma visita ao Copacabana Palace. O entrevistado estava na cidade por pouco tempo e retornaria aos Estados Unidos antes do anoitecer. Não tive escolha. De pronto chamei um taxi e segui para Copacabana, onde encontrei a jornalista Adriana Levis.

Com uma câmera portátil e autorizados pela recepção do hotel chegamos à suíte 1204. Somos recebidos por um simpático professor e com ele passamos cerca de 40 minutos em um bom bate papo sobre um tema que é a base do desenvolvimento em qualquer país; e que em alguns locais ainda enfrenta resistência para se adequar às mudanças da sociedade moderna: a educação.

 

Fernando Reimers é professor de Educação Internacional da Universidade de Harvard.