Sábado à tarde. Peguei o carro com meu amigo Pablo de Moura na carona e partimos para Marechal Hermes. Margeando a linha do trem que leva ao subúrbio do Rio levamos quase 40 minutos para chegar ao destino. Boa viagem regada a um bom papo sobre os bons tempos da turma que iríamos encontrar. Povo trabalhador, amante do cinema e de cerveja.

Era a segunda edição do evento. Minha estreia. Entre uma dose e outra de refrigerante que fui obrigado a tomar por causa da Lei Seca, falamos dos idos de 2000 e cassetada, época em que as ladeiras do bairro de Santa Teresa ferviam com altas produções e reportagens. O tempo passa, novas estórias chegam e os amigos permanecem. Foi bom rever LH, Ronch, Robinbin e cia limitada. De resto, cineastas amadores e profissionais se misturavam em meio a tulipas e salgadinhos.

Fiquei feliz em participar com meu curta BISPO DA MARÉ. Não levei o quiquito de marechal, mas fiquei satisfeito com um dos 15 prêmios do juri oferecidos a todos os diretores. Destaque para animações fantásticas e ficções do cotidiano carioca.