Este vídeo é sobre uma série de interprogramas que está sendo exibida no Futura. O tema é delicado, mas merece atenção de todos. Como repórter, vivi uma das experiências mais marcantes da minha carreira durante a apuração de reportagens com crianças e adolescentes sexualmente explorados nas esquinas deste Brasil.

Mas e aí? Qual é a maneira eficaz de tratar o assunto? Se envolvendo sempre que ele bater à porta, sempre que ele passar perto do carro, da beira da calçada, da mesa do bar, da recepção do hotel, do posto de gasolina…

Não há receita secreta, fórmula mágica para acabar com o problema, mas o que pode diminuir os casos é – a atuação do poder público, claro – e a mobilização popular. Não virar a cara e dizer simplesmente: “Nossa, que coisa horrível…”

Existe um número gratuito para denúncias. É o disque 100. Basta ligar 100 de qualquer parte do país para colaborar com o enfrentamento do problema que atinge milhares de famílias, principalmente, de cidades como Fortaleza, Natal, Recife, Rio, São Paulo, Brasília e outras tantas mais de zonas fronteiriças ou do interior, onde a lei passa bem longe.

De resto, se educar pela linguagem audiovisual já é um bom começo.