Sabrina faz pose na Cacimba do Padre

mergulho no Sancho
Como prometido, segue um breve relato sobre a recente viagem que fiz à ilha de Fernando de Noronha:

É um destinho que fazia parte do meu imaginário há muito tempo. Desde a época em que trabalhava como produtor de reportagem do programa Globo Ecologia, que almejava o embarque para o arquipélago. Por dezenas de vezes, li a respeito das belezas naturais de Noronha. Conversei horas por telefone com ambientalistas dos projetos Tamar, Baleia Jubarte e Golfinho Rotador. Até amigos na TV Golfinho – a repetidora da Rede Globo na ilha – eu fiz à distância.

No entanto, um aspecto me incomodava: o fator Noronha. Explico; sempre que ouvi relatos sobre o turismo no Brasil, ouvi os mesmos depoimentos “Ah, quando você conhece as praias de Noronha, fica difícil achar outra mais bonita, tamanha a beleza”. Entendo. Apesar de já ter rodado boa parte do litoral brasileiro, confesso que infelizmente ou, felizmente, é isso mesmo que acontece. Sancho, Baía dos Porcos, Cacimba do Padre, Sueste, Cachorro… São tantas praias paradisíacas que fica difícil escolher uma só mas, como este não é o meu perfil, de ficar em cima do muro, escolho a Baía dos Porcos como a mais bela praia que já vi em toda a minha vida. No vídeo abaixo vocês podem opinar a respeito.

Bom, além de paisagens maravilhosas, Noronha também tem um povo muito acolhedor. Em todos os cantos recebemos saudações de boas-vindas, dicas de preservação, conselhos. Todos sabem que a ilha vive da receita do turismo. É muito claro que desenvolver a cordialidade é a melhor alternativa para atrair novos visitantes. Confesso que fico preocupado com o pouco de lixo que vi nas ruas. Não nas praias ou no fundo do mar, mas nas ruas. Talvez, reflexo de um turismo em franca expansão. De qualquer maneira, vale o recado. De resto, a viagem que fiz com minha esposa, Sabrina, foi uma segunda lua-de-mel. No ritmo frenético de passeios, caminhadas, trilhas, degustamos muito a culinária local, como em um festival gastronômico de frutos de mar. Fizemos também amigos. Dois casais: um de Pernambuco (Tiago e Jaqueline) e outro do Rio Grande do Sul (Vinícius e Lúcia).  As novas amizades foram outra boa lembrança do paraíso. Lembrança que carregaremos para a vida, afinal, já encontramos Lúcia e Vinícius numa tarde de Sol no Rio e  marcamos novo encontro para um casamento em Porto Alegre, no próximo sábado. Na foto acima, da esq. pra dir.: Lúcia, eu, Vinícius, Sabrina, Tiago e Jaqueline à espera do pôr-do-sol no mirante do Boldró. Fim de papo. Tudo anotado no diário de bordo e dividido com a platéia aqui no blog. Às vezes, sinto vontade de largar tudo e ficar assim, de pernas pro ar. Apenas curtindo os bons momentos da vida e torcendo para que eles sempre se repitam.