José Brito Cunha e libras

Sabe aquela sensação gostosa de fazer o bem sem importar a quem? Pois é. Foi assim que me senti quando visitei a escola Umbelina da Silva, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. Lá trabalha uma professora que resolveu ensinar LIBRAS – a Língua Brasileira dos Sinais – a alunos das turmas do ensino fundamental. E fez isso independentemente de ter ou não surdos em sala de aula. Diz ela, Roberta, que a iniciativa ajudou a todos a perceber a importância da construção de valores como respeito e igualdade social entre estudantes, professores e moradores. Foram pouco mais de duas horas com meninos e meninas que, juntos, descobriam os benefícios do aprendizado coletivo. Bons momentos que nos fazem refletir sobre atitudes nobres que estão bem pertinho da gente, mas passam despercebidas no dia-a-dia.

A reportagem, que foi ao ar no Jornal Futura, você confere também aqui no blog.